Como o outubro Rosa influenciou outras campanhas preventivas?

Além do mérito de ter ampliado a importância da conscientização em relação ao câncer de mama, a campanha “Outubro Rosa” não só extrapolou o objetivo de alertar as mulheres sobre a doença, mas também difundiu pelo mundo inteiro o conceito de campanhas preventivas ligando os meses do ano as mais variadas cores.
Idealizado nos Estados Unidos há mais de 25 anos, o “Outubro Rosa” foi o primeiro movimento organizado de prevenção que ganhou, em pouco tempo, projeção mundial. A iniciativa foi adotada em 1990, quando voluntários da Fundação “Susan G. Komen For The Cure” distribuíram laços cor de rosa e folhetos informativos sobre o câncer de mama aos participantes de uma corrida de rua, em Nova Iorque.
A campanha passou a ganhar cada vez mais importância e, anos mais tarde, o Congresso Americano, decretou o mês de outubro como o período oficial de prevenção contra o câncer de mama.
No Brasil, a primeira iniciativa em prol da prevenção da doença, aconteceu em outubro de 2002, quando o Obelisco do Ibirapuera, em São Paulo, foi iluminado com tons cor de rosa. Em 2008, foi a vez, do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, receber a iluminação cor de rosa e a partir do ano seguinte, as entidades públicas e privadas ligadas à saúde aderiram maciçamente à ação contribuindo para que toda sociedade tivesse acesso as mais variadas e atualizadas informações sobre a doença.
Como você pode perceber os sinais da doença?
As mulheres conhecem seus corpos como ninguém e, em qualquer idade, conseguem perceber qualquer sinal de anormalidade em suas mamas. A maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres.
Mantenha-se sempre atenta. Olhe, observe, palpe e sinta suas mamas no dia a dia para reconhecer suas variações naturais e identificar as alterações suspeitas.
Além de estarem atentas ao próprio corpo, é recomendado que as mulheres façam exame de rotina, conhecido como rastreamento, um exame de rotina para identificar o câncer antes de a pessoa ter sintomas. No caso do câncer de mama, o exame recomendado é a mamografia.
É recomendado que Mulheres de 50 a 69 anos façam uma mamografia a cada dois anos. A mamografia para avaliar uma alteração suspeita na mama é chamada de mamografia diagnóstica e poderá ser feita em qualquer idade. Alterações suspeitas também podem ser avaliadas pelo exame clínico das mamas, que é a observação e palpação das mamas por um médico ou enfermeiro.
Para mais informações baixe gratuitamente a cartilha “Câncer de Mama: É preciso Falar sobre Isso”, no site do Inca (Instituto Nacional do Câncer) – http://www.inca.gov.br/outubro-rosa/deteccao-precoce.asp

Deixe uma resposta