Conheça as causas e os efeitos da Síndrome do Coração Partido

Vivemos em tempos acelerados. Nossos dias passam em uma velocidade alucinante. Trabalho, família, reuniões, agenda apertada, encontros e desencontros. E, em meio a este turbilhão de atividades e sensações, ainda temos que conviver com o inesperado e com as surpresas que a vida nos reserva.

E, muitas vezes, estas surpresas podem nos causar problemas de saúde que até então eram ‘diagnosticados’ apenas como uma forte emoção, mas não é bem assim.

Notícias do falecimento de um parente próximo, o fim de um relacionamento, a demissão do trabalho ou até mesmo a vitória do seu time ou a notícia de uma promoção no emprego podem desencadear no seu organismo sintomas bem desagradáveis e parecidos com os de um infarto.

A Cardiopatia Induzida por Estresse ou a Síndrome do Coração Partido é uma anomalia do funcionamento do coração, descrita apenas em 1990, é caracterizada por uma alteração repentina e passageira do músculo cardíaco, mais especificamente no ventrículo esquerdo.

O que acontece é que as situações estressantes (positivas ou negativas) podem provocar o aumento na produção de adrenalina e de outros hormônios que causam um estreitamento temporário nas artérias do coração.

Esse afunilamento das artérias compromete o funcionamento do músculo cardíaco e podem provocar dores do peito, suor abundante, arritmia, entre outros sintomas, mesmo que o órgão não apresente sinais obstrução.

O susto e o mal-estar são grandes e precisam ser bem diagnosticados, mas normalmente, a síndrome dura de sete a 30 dias, tem evolução benigna e não deixa marcas permanentes no coração. Casos de mortes associadas à síndrome são raros.

Fatores de Risco

Levando-se em conta que tanto as boas notícias quanto as surpresas desagradáveis chegam até nós em qualquer fase da vida, a Síndrome do Coração Partido pode afetar pessoas de qualquer idade, porém em 90% dos casos, a enfermidade atinge mais as mulheres acima dos 50 anos.

Esta fase da vida da mulher coincide com o período pós-menopausa em que há queda na produção do estrógeno, hormônio feminino, que ajuda na proteção das camadas internas dos vasos sanguíneos.

Outros integrantes do grupo de risco são os idosos, as pessoas que sofrem com transtornos neurológicos (epilepsia) e portadores de transtornos psiquiátricos, como crises de ansiedade e depressão.

Atividades físicas e sociais

A melhor forma de prevenção contra a Síndrome do Coração Partido é a mudança do estilo de vida para que, aos poucos, possamos eliminar toda e qualquer situação de conflito ou de tensão na nossa rotina. A prática de exercícios físicos e a complementação da dieta com suplementos como, por exemplo, o Ômega 3, da Conlife, que possui ação antioxidante e ajuda a controlar os níveis de colesterol são ótimas opções na redução da sobrecarga e das complicações que podem atingir a sua saúde cardíaca.

Fica a Dica

Logicamente que as informações deste artigo não devem e nem podem colocar o estresse como causa exclusiva de uma eventual dor no peito ou de uma falta de ar repentina. Fique atento aos sinais do seu organismo. Em qualquer situação anormal, procure atendimento médico sem perda de tempo para receber o tratamento indicado, se necessário.

Deixe uma resposta